Dicas Jet Oil, rede Ipiranga

Dicas Jet Oil, rede Ipiranga

Dicas Jet Oil, rede Ipiranga

Quando trocar o óleo do motor?

Com o motor frio, preferencialmente pela manhã, antes da primeira partida e estando o veículo em piso nivelado retire a vareta do óleo, limpe-a com um pano ou papel insira e retire-a novamente. O nível de óleo deve estar entre as marcas "Min" e "Max" gravadas na vareta. A maioria dos fabricantes recomenda a troca do óleo a cada 5.000 km (mineral) ou 10.000 km (sintético). Se o período da última troca for superior a seis meses, procure uma unidade Jet Oil e faça a troca correta do seu óleo.

Como regarrecar a bateria do carro?

Se a bateria do seu carro acabar na rua, basta você achar dois pedaços de fio em “u” , que possam conduzir carga para o seu carro. Você precisa de dois pedaços de quaisquer fios que possam conduzir energia eletrica e um veículo B adicional com a bateria carregada para que você possa dar carga na bateria do veículo A.

• Abra o capô do veículo A identifique os pólos das baterias, geralmente são simbolizados por: (+) positivo / (-) negativo

• Abra o capô do veículo A (seu carro), e anexe a ponta de um fio no pólo positivo e o outro no pólo negativo.

• Aproxime o veículo B ao veículo A, de forma que um fique perpendicular ao outro, abra o capô do veículo B, identifique os pólos da bateria, geralmente são simbolizados por: (+) positivo / (-) negativo, coloque os fios que já estão conectados no veículo A agora no veículo B, certificando-se para não alternar os pólos, caso contrário você poderá causar uma sobrecarga entre os dois veículos. Por exemplo: Positivo em A com positivo em B / Negativo em A com negativo em B.

• Ligue e acelere o veículo B, apenas uma vez, para carregar a bateria do veículo A, após feito isso, desligue o veículo B, e ligue o veículo A, dê voltas com ele durante uns 20 minutos sem interromper o seu funcionamento, para garantir que a bateria, carregue completamente.

Importante

Cuidado! Assegure também, durante o processo de carga da bateria, que os veículos A e B estejam desengrenados e com os freios de mãos puxados, para evitar possíveis acidentes. Jamais empurre ou dê trancos em seu carro, pois, se o carro possuir corrente dentada você pode quebrar seus dentes, ou mesmo se o carro for de injeção eletrônica, você poderá desrregular a marcha lenta de seu carro, o que poderá aumentar ainda mais os danos em seu veículo. Lembre-se: feito esse processo de carga na bateria leve o seu o carro ao eletricista mais próximo para que ele verifique se não há problemas de falhas elétricas em seu carro.

Quando trocar o filtro de ar?

Deve ser verificado periodicamente. Se estiver muito sujo deve ser substituído. Um filtro de ar sujo prejudica o desempenho do veículo, e aumenta o consumo de combustível.

Quando trocar o filtro de combustível?

Troque nos intervalos recomendados pelo fabricante, em média nos veículos a gasolina a cada 20.000 quilômetros e nos a álcool entre 7.000 a 10.000 quilômetros, dessa maneira estará preservando o sistema de alimentação contra as impurezas do combustível.

Quando trocar os amortecedores do carro?

Quando houver dificuldade no controle do veículo em curvas, freadas, pulos descontrolados das rodas e desgaste prematuro ou irregular dos pneus é sinal de que os amortecedores precisam ser trocados. O desgaste natural dos amortecedores, causado pelo uso, compromete a dirigibilidade do veículo e acelera o desgaste de outros componentes da suspensão.

Quando trocar pastilhas e óleo de freio?

Quando as pastilhas estão desgastadas, chegando ao limite do uso, o veículo começa a apresentar um ruído forte ao pressionar o pedal do freio. Nesse caso a recomendação é verificar imediatamente a espessura da pastilha.

Uma boa dica da hora de trocar a pastilha é a luz indicadora de óleo de freio no painel. Quando a pastilha está gasta, o óleo fica abaixo do nível normal. É contra-indicado completar o óleo de freio quando ele fica abaixo do nível no painel. É preciso prestar atenção ao fato de que parte do óleo desceu aos tubos condutores, para compensar o desgaste das pastilhas.

Como identificar quando as palhetas devem ser trocadas?

Troque as palhetas a cada 12 meses (uma vez por ano), ou caso estejam: Ressecadas (deixam riscos ou faixas no vidro, quando acionado o limpador);há folgas no mecanismo (ocorre trepidação quando o limpador é utilizado);borracha deformada (uma "névoa" é formada no vidro);borracha rasgada ou essecada (algumas áreas do vidro ficam sem limpeza);

Como evitar o desgaste prematuro do sistema de embreagem e câmbio?

Em geral, a embreagem tem vida longa, pode chegar aos 100.000 km, mas, cidades de trânsito pesado ou de topografia acidentada podem contribuir para o desgaste da peça prematuramente, encurtando quase pela metade a sua durabilidade.

Verifique o nível do óleo do câmbio a cada 30.000 km. Alguns modelos não necessitam troca (Consulte o manual do seu veículo). Se perceber vazamentos, providencie o conserto o quanto antes. Evite trancos durante as trocas de marchas, você pode estragar os anéis sincronizados e quebrar alguma engrenagem, e reparo no câmbio custa caro. Não use o pedal da embreagem como apoio para o pé, se fizer isso a vida útil da embreagem estará comprometida. Nas ladeiras use o freio de mão, nunca segure o carro usando os pedais da embreagem e do acelerador, se o fizer, estará queimando a embreagem e diminuindo a vida útil do conjunto, além de gastar combustível desnecessariamente. Pedal de embreagem muito duro e dificuldade de engatar as marchas é sinal de desgaste no conjunto. A vida útil varia conforme o modo de conduzir o veículo.

Como evitar o desgaste prematuro dos pneus? 

O estado de conservação e a calibragem correta garantem a aderência na pista e a eficiência nas frenagens. Use sempre pneus com as medidas indicadas no manual do veículo. Tamanhos incorretos alteram o comportamento da direção e tornam o veículo inseguro. Calibre os pneus pelo menos a cada 15 dias ou antes de pegar a estrada. Procure fazê-lo sempre com os pneus frios, preferencialmente pela manhã. Calibragem incorreta provoca desgastes irregulares na banda de rodagem do pneu, diminuindo sua vida útil. Se a pressão for insuficiente o pneu gasta principalmente nas bordas; se for excessiva, o desgaste será maior no centro. Não se esqueça de calibrar o estepe, que junto com o macaco, chave de roda, triângulo e extintor fazem parte dos equipamentos obrigatórios por lei. Os pneus modernos trazem indicadores de desgaste, normalmente um triângulo ou as letras TWI impressos na lateral. Quando o desgaste atingir a marca TWI está na hora de trocá-los. O limite legal de profundidade dos sulcos dos pneus é 1.6mm. Abaixo disso são considerados "carecas", podendo o veículo ser apreendido pelas autoridades de trânsito. Faça o rodízio, o alinhamento e balanceamento a cada 10.000 km, isso aumenta a vida dos pneus e mantém o conjunto da suspensão e direção equilibrados, melhorando a segurança e dirigibilidade do veículo.

Quando o pneu furar, como fazer para trocá-lo?

 Deixe o carro em um lugar plano e seguro; deixe engrenado em primeira; afrouxe as porcas com a chave de roda ou com a chave que vier com as ferramentas de socorro do caro; retire o estepe antes de levantar o carro; encaixe o macaco e levante o carro a uma altura suficiente para que o pneu a ser trocado não encoste no chão; retire as porcas e puxe o pneu com a roda; coloque o estepe e ponha as porcas fixando a roda; abaixe o carro com o macaco e guarde o pneu furado para levá-lo a uma borracharia; aperte bem as porcas da roda trocada para que fique bem firme; procure sem falta uma borracharia para consertar o estepe.

Como agir quando o mortor superaquecer?

Muitos carros trazem mostrador de temperatura no painel: se o ponteiro sair da faixa de normalidade (90º a 100º) e atingir o vermelho, é sinal de que o motor está mais aquecido do que deveria. Há outros carros com relógio de temperatura, que facilitam essa identificação, e outros que simplesmente acendem um símbolo no painel. O último sinal é o mais extremo: o motorista vê o vapor saindo do capô. Em todos os casos, o primeiro passo é parar o carro imediatamente. Se insistir em rodar nessas condições, o motor sofrerá danos maiores, como queima na junta do cabeçote e até um empenamento irreversível dos pistões. Depois de parar, deve-se ter paciência e esperar pelo menos 40 minutos para verificar o nível de água do radiador, já que a causa mais comum do superaquecimento do motor é o vazamento de água. Se a tampa for aberta antes disso, o risco de sofrer queimaduras é grande. Caso o nível de água esteja baixo, complete a água com o motor ligado, em marcha lenta, para evitar a ocorrência e um choque térmico. Mesmo você complete o radiador e não perceba mais sinais de vazamento, é preciso procurar uma oficina o mais rápido possível para desvendar o problema. Os vazamentos de água podem ter diversas origens, como uma mangueira estourada ou um radiador furado, por exemplo. Além dos vazamentos, o motor pode superaquecer devido a problemas nas ventoinhas elétricas do radiador, relês ou fusíveis queimados. Há ainda os defeitos na válvula termostática e bomba d’água.


*Fonte: Portal Ipiranga